Páginas

15 de set de 2010

Old lady


Outro dia eu estava na praça de alimentação do shopping e vi uma moça, bem arrumada e sorridente, com uma pasta bem gorda nos braços e uma sacola, seguida de perto por um casal de mãos dadas. Pensei imediatamente: "organizadora de casamento". Os três sentaram-se em uma mesa e da pasta e da sacola começaram a sair álbuns e amostras de convites e outros itens. Eu estava certa.

Eu chamaria isso de "treinamento Miss Marple".

O Poirot chama muito a atenção, né? Todo aquele ego e tudo mais, e os detetives são atraentes, montando seus quebra-cabeças enquanto todos os outros estão no escuro. Confesso que sou apaixonada por eles. Holmes, Poirot.

Mas ela... Ela é uma de nós! Nós, que ficamos lendo histórias de detetives e nos tornamos observadoras da vida real e das pessoas, todas nós guardamos dentro de nós uma Miss Marple a tomar chá e conversar sobre as pessoas. Puro interesse no ser humano, nos padrões de comportamento, no que se repete, no que se pode prever. Atenta aos pequenos sinais que indicam quem é quem, qual o papel de cada um no quadro geral de uma casa, de uma família, de um grupo humano onde quer que esteja. Não se engane, os papéis sempre são distribuídos, e as pessoas tendem a agir de acordo com eles.

Jane Marple age por instinto e vocação, não por profissão nem por recompensa. E sua posição neutra e
inofensiva é o segredo de sua eficácia. Ela chega onde nenhum Poirot chegaria. Bom, é incomparável, de fato. Ele usa as células cinzentas, ela usa "people skills". Ele não excede muito nesse campo, né?

Meu caso favorito de Miss Marple até hoje, e um de meus livros favoritos da Agatha, é "Convite para um Homicídio". Geralmente o caso me conquista quando eu o resolvo, e esse eu meio que resolvi, mas muito mal e porcamente. Eu já tava sacando que tinha que ser aquela pessoa, mas não sabia nem como nem porquê.

Spoiler em branco aqui embaixo:


Eu cheguei a CORRIGIR a lápis na minha edição quando a Bunny chama Letty de "Lotty", achando que era um erro de revisão. Tolinha. Na segunda vez que fui corrigir, parei. Peraí, o mesmo erro, duas vezes?..




-Livre de spoiler daqui pra frente!-


Sutileza, as versões tão semelhantes, as contradições de cada testemunho são tão pequenas, mas é nelas que está o diabo. Nos detalhes.

É isso que mais amo em Jane Marple. O que ela permite que eu empreste. O que há dela em mim. Aguardem. Um dia hei de dar à luz minha própria Miss Marple...



Mais Agatha hoje em...



Clique aqui para aprender a fazer o famoso bolo Delicious Death da louca da Mitzi.

3 comentários:

  1. o Convite para um homicídio é um dos meus livros preferidos da Agatha, e talvez o melhor da Miss Marple. Já reli várias vezes. Quantas pistas falsas há ali! E a velhinha danada consegue desvendar o mistério.

    Adorei o post, Bruna!

    ResponderExcluir
  2. um dos tff éva! fico sempre tão triste no final, porque foi um crime tão... bom, ésquisito dizer que foi um crime humano, embora tenha havido ganho pessoal, mas era tanta coisa a mais por trás desse ganho.

    e todavida quis experimentar a delícia mortal. :oD

    ResponderExcluir
  3. Realmente, Agatha é excelente... Sempre gostei mais da Miss Marple, mas achava que era um dos poucos, sempre tento "investigar", observar a natureza humana...post demais parabéns!

    ResponderExcluir

tá com você!